Foi lançada uma atualização de segurança na sexta (10/05) para corrigir a vulnerabilidade encontrada no Whatsapp.

O Financial Times disse que o software utilizado no ataque foi criado pela empresa de segurança israelense Grupo NSO. No entanto, a companhia negou estar relacionada ao ataque.

Na segunda, o Whatsapp pediu aos seus mais de 1,5 bilhão de usuários para atualizar o app por precaução.


Whatsapp: como a falha de segurança foi usada pelos hackers?

O recurso de chamada de voz do Whatsapp foi utilizado pelos hackers para ligar para o dispositivo dos alvos do ataque.

Segundo o Financial Times, jornal britânico, mesmo que a chamada não fosse atendida, permitia que o software fosse instalado. E logo em seguida a chamada de voz desaparecia do histórico de chamadas.

A vulnerabilidade foi identificada rapidamente pela equipe de segurança do Whatsapp e logo sendo informada a grupos de direitos humanos, alguns provedores de segurança cibernética e o Departamento de Justiça dos EUA.

Whatsapp: quem eram os alvos do ataque?

Não se sabe ao certo ainda quantos usuários foram afetados devido essa falha de segurança, embora o Whatsapp tenha reportado ser um grupo bem seleto.

A Anistia Internacional, que é uma organização de direitos humanos, disse que foi alvo por programas criados pelo Grupo NSO, no passado.

Danna Ingleton, vice-diretora do programa de tecnologia da Anistia Internacional, acredita que os governos estão usando esse tipo de tecnologia para manter ativistas e jornalistas importantes sob vigilância.

Ocorrerá uma audiência em Tel Aviv, na terça feira, sobre uma petição da Anistia Internacional, com o objetivo de que o governo de Israel retire a licença da NSO de exportação de seu produtos.

Já atualizou o seu Whatsapp? Se ainda não, faça já a atualização!

Ahh… compartilhe com seus amigos para eles ficarem seguros também!

Fonte: Bbc News Brasil